fau
ensino
pesquisa
cultura e extensão
 
eventos
concursos
defesas
home  contato  mapa do site  usp
 
   







administração
ensino
seções técnicas de apoio
comissões
outras entidades
publicações
site
relatórios de viagem 2007 - 2011
informativo
colegiados


 
FAU Português / English

Histórico

A Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU - foi fundada em 1948, tendo se originado do antigo curso de engenheiro-arquiteto da Escola Politécnica da mesma Universidade. Seu fundador e primeiro diretor foi o Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, responsável pela formação urbanística no antigo curso e principal organizador de novos conteúdos específicos naquele que se formava. 

Em seus primeiros anos, o curso da FAU combinava as disciplinas técnicas originais do antigo modelo, praticamente inalteradas, com elementos do currículo padrão da Escola Nacional de Belas Artes, organizados em disciplinas como plástica, modelagem, arquitetura de interiores, grandes e pequenas composições. Essa combinação envolvia uma grande assimetria programática e didática entre conteúdos, uma vez que - como destacava o Arq. Carlos Milan - "as cadeiras de formação técnica eram habitualmente regidas por engenheiros, enquanto as chamadas cadeiras artísticas eram dadas por artistas plásticos, (...) lecionadas de formas muito semelhantes, senão idênticas, às adotadas para a formação de engenheiros e de artistas plásticos".

Com a reforma curricular de 1962, na qual tiveram destaque docentes como Vilanova Artigas, Carlos Milan, e Lourival Gomes Machado, dentre outros, estabeleceram-se os fundamentos da estrutura de ensino que posteriormente viria a formar os três departamentos da FAU: Projetos, História da Arquitetura e Tecnologia da Arquitetura. Este reconhecimento da arquitetura como espaço intelectual de convergência das artes, das humanidades e das técnicas, até hoje tem permitido à FAU absorver diferentes temas específicos que passaram a integrar o conjunto das atribuições profissionais dos arquitetos sem abrir mão de um processo de formação ampla e generalista. 

O ensino de pós-graduação foi formalmente instituído na FAU em 1972. De início restrito ao Mestrado, o curso logo evoluiu para o oferecimento de Doutorado, vindo a constituir-se no maior programa de pós-graduação da área no país. Até recentemente a FAU era a única instituição no Brasil a oferecer doutorado em arquitetura e urbanismo. Por isso grande parte dos docentes hoje mais titulados de outros programas de pós-graduação da área, em todo o país, realizou suas pesquisas de doutorado na FAU. 

A prática de pesquisa, embora marcante desde os primeiros anos da FAU como unidade autônoma, foi pouco institucionalizada até fins da década de 1980. O exercício intelectual da análise, da crítica e da síntese, típico da prática da arquitetura, deu origem a métodos peculiares de apreensão da realidade e de proposição identificados parcial e simultaneamente com metodologias de pesquisa consolidadas em outros segmentos das grandes áreas das ciências sociais aplicadas, das artes e da tecnologia. Paradoxalmente, esse trânsito multidisciplinar fez com que a atividade intelectual da arquitetura e urbanismo não se identificasse plenamente com nenhum dos referenciais reconhecidos de produção acadêmica, o que dificultou sua institucionalização nos sistemas mais amplos de registro e disseminação. Hoje é marcante o esforço da Unidade no sentido de adequar sua produção acadêmica a metas organizadas segundo as finalidades de ensino, pesquisa e extensão universitária que estruturam a Universidade de São Paulo, respeitadas as especificidades do perfil intelectual necessariamente pluralista do arquiteto.

Missão

A FAU possui dois cursos: Curso de Arquitetura e Urbanismo e Curso de Design. O Curso de Arquitetura e Urbanismo tem por missão formar profissionais arquitetos e urbanistas aptos a responder pelas demandas mais complexas da sociedade em relação matérias de interesse público e ambiental que requeiram habilidades específicas na formulação de planos e projetos de desenvolvimento, conservação, restauro dos espaços construídos e dos sistemas urbanos e ambientais. Atualmente, especial ênfase tem sido dada ao instrumental metodológico necessário para a formulação de alternativas físicas e organizacionais para habitação de interesse social, edifícios públicos, espaços coletivos e sistemas urbanos, conservação e restauro do patrimônio do construído e sua harmonização com o meio físico natural urbano. O Curso de Design tem por missão promover, na vertente da programação visual, a interface entre conteúdos informacionais objetivos e seres humanos e, na vertente do projeto de produto, a interface entre substratos tecnológicos e os mesmos seres humanos.

E esse compromisso com a busca de novos conhecimentos, mediante ampliação permanente do repertório teórico e teste da prática inovadora que hoje permite que a FAU – originada em conteúdos essencialmente profissionais – se integre às finalidades acadêmicas mais amplas da Universidade em seu todo. Não é por acaso que o conjunto de disciplinas oferecidas em seu currículo de graduação abrange conteúdos inovadores de ciências sociais aplicadas, de tecnologia e de prática de projeto não contemplados nos currículos mínimos oficiais e na maioria dos cursos existentes. Nossa Faculdade gera paradigmas e isso implica uma grande responsabilidade em relação às perspectivas da prática profissional e da atividade acadêmica da arquitetura e urbanismo em todo o país.

Edifícios 

O patrimônio da FAU é constituído por bens tangíveis e intangíveis. Seus edifícios certamente estão entre os primeiros, mas nem por isso deixam de ter uma forte ligação com o lado intangível, representado pelo enorme patrimônio cultural que abrigam. 

Pela ordem cronológica, o primeiro é o edifício "Vila Penteado" à rua Maranhão, 88, em Higienópolis, São Paulo. Trata-se de um palacete construído no início do século XX para abrigar a família do comendador Antonio Álvares Penteado, poderoso fazendeiro de café empenhado na industrialização paulista. A "Vila Penteado" foi doada à Universidade de São Paulo no final da década de 1930, com o fim específico de abrigar uma Faculdade de Arquitetura. O próprio edifício era considerado, desde seu projeto, como uma obra de arte, de autoria do arquiteto Carlos Ekmam.

A Faculdade de Arquitetura e Urbanismo instalou seu curso de Graduação naquele edifício em 1950 e lá permaneceu até 1969, quando passou a funcionar na Cidade Universitária. A partir de 1971 o edifício da Vila Penteado abrigou os trabalhos preparativos da FAU para fundar seu curso de pós-graduação, o que ocorreu em 1972. O edifício tem sido objeto de cuidados pela sua preservação e restauro, com destaque à recente recuperação das instalações da Biblioteca. Esse processo tem representado oportunidade ímpar para o aprendizado das técnicas de restauro e desenvolvimento de pesquisas afins conduzidas pela própria FAU e outras unidades da USP. 

Seguindo na descrição cronológica, as instalações da FAU na Cidade Universitária foram trabalhadas sobre alterações importantes inseridas no Curso de Graduação da FAU pelas reformas de 1962 e 1968. As principais referem-se à incorporação formal de conteúdos associados à arquitetura e urbanismo, notadamente comunicação visual, desenho industrial e paisagismo, anteriormente contemplados apenas por motivação individual de docentes interessados, no âmbito de outras disciplinas. Assim, o principal edifício construído na Cidade Universitária, projeto do arquiteto e professor João Batista Vilanova Artigas, passava a absorver não só as atividades anteriormente existentes, mas ampliava-se para uma relação estreita entre teoria e prática em distintos estágios e escalas do processo criativo.

O edifício, projetado com suas áreas funcionais em torno de um grande espaço livre (o "Salão Caramelo", sede de eventos cívico-culturais), recebeu grandes distinções de reconhecimento da parte da sociedade brasileira, como atestam seu tombamento desde 1982 pelo CONDEPHAAT e pelo COMPRESP. Foi também merecedor do Prêmio Jean Tshumi da União Internacional dos Arquitetos (UIA), em 1985, por sua contribuição ao desenvolvimento tecnológico da arquitetura.

Com o crescimento dos trabalhos acadêmicos foi necessário ampliar os espaços necessários aos serviços de apoio didático, para isso sendo construído o edifício conhecido como "Anexo", projeto do Arquiteto e Professor Gian Carlo Gasperini, vencedor de um concurso interno promovido pela FAU. Este edifício que abriga a oficina de modelos (LAME), o laboratório de fotografia e o laboratório de programação gráfica, articula-se externamente com o canteiro experimental de construção, abrigado sob cobertura tensa projetada pelo Arquiteto e Professor Reginaldo Ronconi. Completando o patrimônio construído da FAU, integra-se o atelier de escultura Caetano Fracarolli, nas imediações da Prefeitura do Campus da Cidade Universitária.

Em uma posição intermediária entre os bens tangíveis e intangíveis, situa-se a Biblioteca da Faculdade, uma das maiores do país referentes a arquitetura, urbanismo e artes visuais, que além de subsidiar as pesquisas acadêmicas através de levantamentos bibliográficos, elabora e publica, desde 1950 o Índice da Arquitetura Brasileira. Como todo o acervo da FAUUSP, o Índice da Arquitetura Brasileira apóia trabalhos de pesquisa não só da própria Unidade, mas de muitas outras, na USP e fora dela. 

A Biblioteca possui um acervo de originais de projetos de arquitetura e livros raros, freqüentemente enriquecido por doações dos arquitetos brasileiros e suas famílias, que a torna o mais importante centro de documentação da arquitetura brasileira em todo o mundo. Ela é também depositária dos trabalhos de seus alunos, muitos destacando-se entre seus pares, desde a primeira turma formada em 1952 (alguns ainda em atividade), até os dias de hoje, projetando ou construindo edifícios, ordenação de cidades, desenho industrial, comunicação visual ou paisagismo. Deste acervo emergem as cerca de 1200 teses e dissertações defendidas e mais de 5000 registros de produção docente da Unidade. 

Alem da Biblioteca, o apoio às atividades acadêmicas da FAU é suprido pelos seguintes serviços especializados, alguns deles localizados no edifico principal e outros no edifício anexo:

· Laboratório de Dados-Seção de Produção de Bases Digitais para a Arquitetura e Urbanismo - CESAD, que oferece bases de informações digitais e arquivos de notícias de interesse da arquitetura e urbanismo como apoio a diferentes trabalhos acadêmicos desenvolvidos na FAU ; 
· Laboratório de Modelos e Ensaios - LAME, que compreende oficinas de modelos, marcenaria, mecânica e pintura, para a realização de protótipos, modelos e maquetes; 
· Laboratório de Computação Gráfica - LCG, nome dado às instalações de suporte informacional a ensino e pesquisa, inicialmente dedicado a aplicativos de computação gráfica e hoje abrangendo uma enorme variedade de recursos e aplicações de informática de interesse ao ensino e à pesquisa de arquitetura e urbanismo; 
· Laboratório de Programação Gráfica - LPG, inicialmente composto por uma oficina gráfica, hoje compreende sistemas abrangentes de editoração, composição e experimentação de diferentes tecnologias gráficas e é responsável por inúmeras publicações da FAU, inclusive seus quatro periódicos, e de outras unidades da USP; 
· Laboratório de Recursos Audiovisuais: Fotografia - FOTOFAU, originado nas necessidades de registro fotográfico de obras arquitetônicas, hoje compreende capacitação em fotografia digital e processamento digital de imagens;
· Laboratório de Recursos Audiovisuais: Vídeo - VIDEOFAU, voltado à produção de documentários e material de apoio didático de interesse da arquitetura e urbanismo, inclusive documentação de patrimônio arquitetônico de elevado valor cultural e canteiros de obras inovadores..

Os edifícios da FAU compõem, nessa perspectiva, um conjunto harmônico de patrimônio tangível e intangível, compreensível apenas quando visto em seu todo. Suas conservação, restauro e contínua atualização funcional são por isso tarefas complexas, merecedoras de consideração por parte de um Conselho Curador e de um Grupo Executivo de Gestão dos Espaços Físicos de alto nível, formado por docentes e servidores não docentes comprometidos com a integridade do patrimônio físico e cultural por que são responsáveis.